abril 16, 2008


Pensar no futuro muda todas as coisas de lugar. Às vezes é tão tentador fincar os pés na terra e estabelecer uma conexão direta com esses seres. Mas ainda assim, existe algo maior a me separar dessa "plenitude".
E Seguem-se domingos tão entorpecentes, que me é familiar ouvir Alice narrando sua queda. Caia rapidamente, e continuava a cair, Kilômetros de centimetros abaixo. Numa sensação tão liberta, tão cósmica. E é assim que caracterizo esse dia morto, tantas vezes abominado por outros tantos... Domingo!
E aqueles olhinhos preocupados a cuidarem de mim apenas com o direcionamento destes a mim. A pele alva, o dia claro de manhã manhosa que não queria chegar. E aquela união de corpos separados, porém juntos antes mesmo dentro de cada neurônio pulsante que carregavas...
E com tão pouco, esvai-se o dia sorrindo, mostrando todos os dentes reluzentes que lhe era possível.

"...Eu pego carona, pra te acompanhar!"

3 comentários:

Traveler disse...

"...e continuava a cair, Kilômetros de centimetros abaixo. Numa sensação tão liberta, tão cósmica."
Ah, como é lindo isso, como eu queria poder sintetizar tudo desta maneira.
Quem sabe um dia eu consigo. =]

Sérgio Rocha disse...

Quero umas dicas de como condensar tão poeticamente as coisas da vida... Parabéns menina, seu professor acaba de ficar aqui, orgulhoso da minha peuqena florzinha...

RUDE disse...

"Há só um jeito de viver, com o peito e a alma nua"