julho 04, 2010

Ode à sujeira diária (ou simplesmente fastio)

Sem óculos eu caminho pela cidade. Ainda é cedo, eu sei. Mas, mesmo com os olhos embassados por conta de algum problema genético ou quiçá orgânico, os copos plásticos faziam-se visíveis e terríveis. E num simples caminhar, de casa para o trabalho a insatisfação para com a humanidade invade os sentidos. Não apenas com essas 'atrocidades' das quais os noticiários nos agraciam todos os dias: mortes, corrupção, hipocrisia e coisas afins. Mas com o nosso próprio assassinato. Chateia-me o mau humor, a falta de amor, o desrespeito de um ser humano para com o outro. Chateia-me ver crianças repetindo gestos de pais mal-educados. Das flores que já não podem respirar em meio a todo esse caos que nós adoramos ostentar. 'Bom dia', 'com licença', 'grato'...ah, quando ouço algo desse tipo meu pelos auriculares ouriçam-se! E tendem a confiar momentaneamente numa futura esperança.
E não adianta eu querer fechar os olhos e viver a minha felicidade, a dos meus amigos, das pessoas que eu amo e vice-e-versa. A felicidade, como já diz o nosso querido Supertramp, só é real quando é compartilhada. E fico eu aqui, procurando meios de fazer brotar sorrisos nas faces, de levar chocolate, jujuba, algodão-doce, pra quem sabe alegrar um desses espíritos que parecem estar vagando sem matéria.
É dificil, eu bem sei, e muitas vezes a vontade que dá é de esquecer tudo e virar as costas para tudo. Mas seria tão melhor se nos amássemos mais, se nós aproveitássemos mais os pantones de verde que a natureza nos oferece, se ´prestássemos mais atenção na beleza cósmica que o universo nos proporciona cotidianamente...
Por fim, bem que podíamos retirar dos nossos corações as angústias, as mágoas, os passos errados... o coração nosso de cada dia iria agradecer imensamente...
...mais amor...
proporia eu por fim, uma cosmoterapia geral, para que a harmonia, a beleza e pureza, pudessem finalmente reinar sobre nós.


5 comentários:

Van Meneghetti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Van Meneghetti disse...

vamos comprar nosso sítio, plantas umas mudas e fazer esse árduo trabalho: ser feliz! rs

depois a gente funda uma seita, quem sabe. Mas, sem fins lucrativos! kkk

Espinheira disse...

"São tempos difíceis para os sonhadores", nos disse uma de nossas peliculas prediletas... e nos ensina tanto a cada vez a vemos, não é mesmo?! Muito bom é poder reconhecer seres humanos com o seu olhar digno, bondoso, melhor ainda é ter sido agraciada com com este olhar sempre voltado p mim, me trazendo cores e doces, abraços, afagos... e principalmente amor!
Tô topando a sociedade deste sítio aí, comer o que se plantar e deixar nossas crianças correrem livres numa verde grama fazendo brotar em nossas faces os mais ternos risos.

.bárbara disse...

É moça...concordo com vc...e me sinto tão fraca e "destruída" com certas imagens que vejo dia-a-dia...ou coisas que ouço aqui e ali.

É triste e trágico, e eu choro...porque me decepciona...e eu simplesmente não consido ACREDITAR que isso ou aquilo exista!

Porque EU não sou assim, e enão entendo como as pessoas são cruéis, e tornam suas crianças "seres repugnantes"...

ou como tentam destruir a Grande Mãe porque acham que consumir sim, é a "felicidade".

bom..feliz porque existem pessoas como vc, que fica indignada, expõe e que divide momentos que podemos chamar de "felicidade".

abs.

Anônimo disse...

Um pequeno gesto por vez, uma vez por dia, um dia na semana. Podemos em meio ao blecaute da metrópole "civilizada" injetar flores de luz com a essência única e Verdadeira.

Continuemos Verdadeiro e fiel à Obra, pois mesmo aonde os limites sejam subjetivos e mais brandos, a polpa do caráter permanecerá intacta e radiante da perfeição dos "céus".

Existe unicamente o bem, essa é a Verdade de quem me educou os olhares e o plano além do material.

Sejamos espelhos limpos... para a Luz do Pai se projetar a partir de nós...

C.L.B for you ...