junho 15, 2008

Hoje só escrever. Só tentar me perder como eter em nossa atmosfera. Refletir sobre essa poeira cósmica que é meu corpo. Subir o quanto der, o quanto me for permitido. Olhar pra você e para as suas letras, e sentir como num estalar de dedos, as coisas podem se configurar de uma maneira diferente. Mirar aqueles olhinhos castanhos, e absorver aquele cheiro que tanto me fez suspirar.
E cair... dar de cara com a realidade, que transforma a maioria dos nossos sonhos em quase nada. E assombrar-se com a estrodante gargalhada da maldade, ao ver no chão todas aquelas pérolas esmagadas e sem brilho, aquelas que você adquiriu com tanto suor ao longo dos seus massificantes dias... é realmente muito triste.

Um comentário:

Mau Camus disse...

A tristeza, muitas vezes, és a mais bela.

Sempre passarei por aqui também...

Bjos, querida