abril 23, 2009

Quer minha camisa?

Doce sensação essa de se perceber as informações adentrando o meu cerebro. Saber ouvir, saber acalmar e saber falar. Não dessa forma perfeita, com toda a plenitude da gramática, entupida de corretos fonemas. Não. Da forma minha, que lhe cai tão bem. Muitas vezes tão calma que parece mais uma pena a tocar sua face, e de outras como uma navalha cortante. E os meus átrios e ventriculos que se desesperam em meio a tanto sangue que não sabe pra que parte do corpo ir... E se perde em meio a escuridão para depois de tanto suor chegar enfim a um beijo pálido, mas do bem.
E ao olhar ao redor de toda aquela massa viva, vontade de por os pés na água suja não falta. E num segundo instante, a capsula condensada de boas emoções e sentimentos sublimes se abre, derramando como num conto de fadas toda aquela poeira mágica...e me dou conta que é então aquela chuva a salvação dos nervos contraídos.
Coisas simples me enchem o coração de paz e harmonia. Me machuca o barulho, me magoa a aspereza...
Enquanto isso, enquanto vejo minha pele degenerar quando em contato com a "realidade", prefiro continuar a perder tempo com os origamis, com os sons de vozes alucinantes, gastar o restante da existência pensando em maneiras outras cômicas de tocar em você... e ei que aprendo enfim a erradicar o frio, sedendo um abraço em forma de camisa quentinha.

"Said freud and rilke all the same
Rimbaud never paid them no mind
But jimmi morrison had his elevators
His elevators He had his elevator angels..."

3 comentários:

Rudsson disse...

perna seca! não entendi seu comentáriO! Beijo me liga !
HAhahahahaha!

Mr. Guima disse...

Ui! lindo isso aqui.
Só "lório"!!!!

(ILY=D)²

Van nessa disse...

ouvindo Muse e lendo suas palavras... ai ai ai aiii... ^^