fevereiro 09, 2009

Deixa...


Eu ando, e você tambem. Eu uso os pés e tambem os cílios para andar. E você vem logo atrás, a me observar colecionando flores, colecionando tons de verão. E eu armazeno cada olhar que você produz, cada gesto, cada pétala gentilmente cedida aos meus cabelos. E sorrio. E sorri de lá a imagem mais esperada de um longo tempo. E pulsa o coração de tanta certeza, e chora desesperadamente o meu ciúme, e me acalma o Vinícius, que outrora foi de mim até você e que agora retorna. E me arrebata com tanta poesia, tanta mágica mesmo embaixo de uma temperatura tão alta.
É você que acordou hoje comigo em cada pequeno pensamento matinal. E foi você quem me cedeu a pele para que eu pudesse proteger. Foi você quem segurou a mão e experimentou limão de uma outra forma, framboesas ao dente. Cevada em grandes recipientes com sugadores coloridos. E voltou no tempo para ver os brinquedos nos fazerem recordar, e quem sabe nos levar a acreditar que existe ainda possibilidade de uma realidade mais nossa, menos deles. E é você que me embrenha em abraços marinhos de polvo grande de oceano, e me canta "Morena" a la Camelo.
...
Gosto de ficar azul, e vi que você gosta dos meus pés azuis. Água pra lavar pé mais uma vez. Água de escorregar só pra nos fazer sorrir. Á gua de hidratar os corpos ressecados do contato direto com as bebibas dos navios...e agora é a existência que pede para que existamos, e acabamos nos rendendo, e existimos um para o outro, crua e fielmente. Cada pestanejar, cada bocejar, cada pequena coisa que possa enfim atingir aquela matéria...e os prédios ficam pra trás, nos fazendo enxergar apenas o que há de infinitamente bom.
Suspiro.
Chegou.
Até amanhã?

Um comentário:

tensaintensa disse...

o amor é detalhista e só vê coisas boas... ah e é tão bonito!