dezembro 20, 2008

Auto-sequestro

E ele que afasta qualquer coisa ruim com seu abraço, que me faz esquecer do gande barulho para me deixar apenas a prestar atenção no som ensurdecedor que fazem os seus cilios ao se chocarem com a quantidade gritante de realidade ao nosso redor.
Sentimentos inexplicaveis, sorrisos dos vales de Vallinor...tudo tão real e concreto que, ao menor toque se desfaz em grânulos através dos meus dedos. E o real que vem à tona, os questionamentos de outrora sobre o que aquele sorriso quer ao se mostrar para mim. E não precisa muito pra comecar a viver numa outra atmosfera. Menos densa, mais potável.
E mais uma vez, minha vida louca que se segue, sentindo pulsar pelas veias algo tão intenso e representativo e ao mesmo tempo tão fatidicamente sem registro. E é bom existir sem existir, pois quando eu olho para o lado, eu vejo pessoas existindo apenas aparentemente. E se tu soubesses o que chega ao meus timpanos...se estivesses presente em meuu neurotransmissores epiteliais. Você mesmo não saberia como reagir a "isso".
As vezes dialogo com tanta energia, tanta linguagem, tanta psicodelia, que tranferir isso para o nosso codigo comunicacional é uma coisa que chega a ser surreal. Informações a la double rainbow. Novos signos criados a cada tranferência geográfica.

''— Se eu te libertar agora – perguntou – tu serás minha?

A borboleta fechou e abriu as asas iluminando o frasco com uma luz de todas as cores.

— Já sou tua – disse – e tu já és meu. Sabes? Eu colecciono caçadores de borboletas.

Vladimir regressou a casa alegre como um pássaro. O pai quis saber se ele tinha feito uma boa caçada. O menino mostrou-lhe com orgulho o frasco vazio:

— Muito boa – disse. — Estás a ver? Deixei fugir a borboleta mais bela do mundo.''



4 comentários:

Nathália :) disse...

muuito lindo esse texto, de verdade! :)

Mr. Guima disse...

sacanagem, eu ia postar uma foto desse filme tbm.
ia falar de como sinto saudade do japão e tals.
ia colocar um texto que fiz na época que estava lá.

vc me atravessou.
=/

"E é bom existir sem existir..."

Simone Schuck disse...

Esses pequenos pedacinhos da vida é que fazem dela algo real. E a gente dá pouca importância...
Que bom que sempre há alguém sensível pra nos lembrar que eles existem e continuam ali...
Beijos!

Van nessa disse...

essa foto me deixou 'coisada'.

os questionamentos sobre a realidade são os piores... encanto ou desencanto com tantas cores possíveis? Dá vontade de largar tudo só por um abraço quentinho. Bom seria se só existisse a saudade, sem solidão.
Vejo humanos (eu acho) de olhos brilhantes vindo e indo de e para qualquer lugar e dá uma vontade danada de sair do frasco!

é tanta energia... os seus raios eu entendo. :D

aquele abraço!